Costa Gomes está a desmobilizar autarcas na luta contra a Linha de Muito Alta Tensão, diz Bloco de Esquerda

O Bloco de Esquerda (BE) acusa a Câmara de Barcelos estar a desmobilizar os presidentes da Junta na luta contra a Linha de Muito Alta Tensão (LMAT). O deputado municipal e candidato à Câmara, José Ilídio Torres, lamentou ontem, em conferência de imprensa, a ausência de um significativo número de autarcas numa conferência sobre o tema na sexta-feira e aponta o dedo a Miguel Costa Gomes.

“É chegada a hora de a luta contra a Linha de Muito Alta Tensão vir para a rua. O BE iniciará ações para trazer a LMAT para a ordem do dia e sensibilizar as populações através do contacto direto. Quanto à falta de comparência dos presidentes de Junta [na conferência de sexta-feira], acho que o presidente da Câmara já tem um traçado alternativo e que chega junto dos autarcas para os influenciar dizendo que a comissão [de luta contra a LMAT] é contra ele. Aos presidentes de Junta foi passada a ideia de que não vale a pena fazer muitas ondas sobre o assunto senão a LMAT ainda lhes cai na freguesia deles”, afirmou José Ilídio Torres.

O BE continua a defender que o presidente da Câmara, Miguel Costa Gomes, já tem um acordo com a REN. O candidato à Assembleia Municipal, José Maria Cardoso, considera que estão em jogo interesses económicos: “O PS tem muitos interesses fortemente enraizados na economia nacional e dos quais a REN faz parte. Costa Gomes é o candidato oficial do PS e isto tem interligações. Estou convencido de que há interferência do partido nacional. Se calhar, uma das razões da própria escolha [de Costa Gomes para candidato à Câmara] do PS nacional pode passar por aí…”.

Os bloquistas classificam a exploração de caulinos em Vila Seca e Milhazes como um atentado ambiental e um perigo para a segurança pública. José Ilídio Torres diz que se houver alguma desgraça o presidente da Câmara também será responsabilizado: “Estão ali crateras a céu aberto, o que já seria grave pelo impacto ambiental, mas ainda se torna mais grave por haver uma escola perto do local. É um perigo que ali está a céu aberto e esse perigo tem responsáveis. O primeiro responsável é a empresa que não está a cumprir as questões de segurança, mas por outro lado o presidente da Câmara também é um grande responsável. Se ali acontecer uma tragédia, se uma criança for para ali brincar, cair a uma cratera e morrer, o responsável é também Miguel Costa Gomes”.

O Bloco de Esquerda também criticou o facto de o orçamento participativo estar incluído no Orçamento Municipal para 2017 mas não sair do papel. O partido vai criar uma plataforma online onde os cidadãos poderão apresentar os seus projetos, uma iniciativa “simbólica” para mostrar ao executivo municipal as ideias dos munícipes.

Rádio Cávado Barcelos