Praga de jacintos ao longo de 12 quilómetros

Armando Carvalho coordena as operações de remoção de jacintos

Os vereadores da Câmara de Barcelos e representantes dos partidos representados na Assembleia Municipal visitaram ontem os trabalhos de remoção dos jacintos do rio Cávado. Com a descida do caudal do rio, a praga que surgiu no rio Cávado após as grandes cheias de 2001, agravou-se. Em algumas zonas, o espelho de água chega a estar completamente coberto. Há duas semanas, começaram os trabalhos de remoção dos jacintos, fruto de um protocolo entre os Bombeiros de Barcelos e Barcelinhos e a Câmara Municipal.

Armando Carvalho, coordenador dos trabalhos de remoção, fez o ponto de situação: “Esta planta só está, neste momento, concentrada em cerca de 12 quilómetros, sendo que acima da barragem da Penide está completamente erradicada. Aparece a jusante da Barragem da Penide até Perelhal, de Perelhal para baixo não tem capacidade para se desenvolver”.

 

 

 

 

Além da praga de jacintos, o coordenador dos trabalhos explica que os bombeiros têm feito a limpeza da poluição não visível: “Em paralelo continuamos a fazer, porque é isso que está no protocolo, vigilância subaquática para a deteção e remoção de outro tipo de poluição que tem a ver com os chamados monstros domésticos que as pessoas, infelizmente, continuam a mandar para o rio”.

O protocolo estabelecido entre as corporações de Bombeiros de Barcelos e Barcelinhos termina a 31 de Março. Até lá, os trabalhos de remoção já terão chegado à cidade, adianta Armando Carvalho: “Nesta primeira fase até ao dia 31 de Março vamos procurar chegar a Barcelos, ao limite da cidade, e depois fazermos todo o controlo, porque a partir de Março, com a entrada da primavera, esta planta volta a aparecer e aí fazemos o controlo para operar uma remoção pontual”.

Rádio Cávado Barcelos