Câmara chega a acordo com ABB para pagamento da sede da Junta de Adães

A Câmara Municipal de Barcelos chegou a acordo com a construtora ABB para o pagamento da sede da Junta de Adães. O valor da obra era inicialmente de 760 mil euros, agora com juros é superior a um milhão de euros.
“Isto é um processo que vem desde 2008, era um processo iniciado pela Junta de Freguesia da altura e o meu antecessor [Fernando Reis] não deu o apoio financeiro e isto arrastou-se até agora. Havia que resolver o problema e fizemo-lo neste acordo tripartido, entre a ABB, a Junta e a Câmara. O protocolo são 24 prestações. A Câmara faz a transferência para a Junta e a Junta liquida [a dívida à empresa]”, explicou Miguel Costa Gomes.

O acordo foi aprovado esta sexta-feira de manhã em reunião de Câmara na qual não estiveram presentes os quatro vereadores eleitos pelo PS e atualmente sem pelouros. A Coligação PSD-CDS votou favoravelmente a medida, mas Domingos Araújo apresentou uma declaração de voto em que considera que o acordo peca por tardio.

O vereador do MIB, Manuel Marinho, absteve-se pois considera que o acordo devia ter sido alcançado em tempo “oportuno” para evitar a elevada quantia a pagar em juros: “Como é evidente [este problema] tinha que ser resolvido no início do mandato. Se o edifício existia e a cumprir uma função tinha que ser pago, como vai ser pago. Mas na altura custava 700 e tal mil euros e agora custa mais de um milhão”.

Miguel Costa Gomes concorda que a questão devia ter sido resolvida mais cedo e culpa Domingos Pereira pela demora: “O responsável pelo departamento financeiro, que era o vereador Domingos Pereira, não quis resolver este problema. Não foi por falta de pressão para resolver, houve sempre da parte da ABB essa pressão. Na altura foi entendido ele não libertar a verba, eu não quis tomar uma atitude, porque havia ali algumas dúvidas, o visto do Tribunal de Contas foi extemporâneo, até que ponto a Junta fez o procedimento como devia ter sido feito, houve muitas dúvidas e o processo acabou por se arrastar”.

Em declarações à Rádio Cávado, Domingos Pereira diz que “já ninguém leva a sério o presidente da Câmara e ainda bem” e responde com ironia: “Agora eu sou responsável por tudo. Até estou a ver se consigo alargar as costas para aguentar com tudo. Não admira nada que daqui a uns tempos o presidente da Câmara diga que o responsável pela seca e pouca água nas albufeiras também seja eu”.

O ex-vice-presidente da Câmara considera que as acusações de Costa Gomes dão “vontade de rir, porque toda a gente sabe que o responsável das obras municipais e particulares e responsável pelas Juntas de Freguesia era o presidente da Câmara”. E acrescenta: “Quem reunia para estabelecer acordos com entidades fornecedoras do Município quando se relacionavam com obras ou créditos, como foi o caso da ABB, foi sempre o presidente da Câmara, nunca nos chamou para estabelecermos acordos e valores com o responsável pela construção do equipamento em Adães. O sr. presidente da Câmara teve alguns conflitos com o sr. Gaspar Borges [dono da ABB], até com corte de relações, houve tempos até em que não falava com ele. O sr. presidente da Câmara devia dizer a verdade e não atirar as culpas para cima dos outros”.

Quanto à ausência na reunião de Câmara, Domingos Pereira sublinha que esta foi justificada e que já tinha avisado Costa Gomes de que poderia não estar presente nas reuniões em agosto. “Quando o presidente da Câmara nos questionou em julho sobre a possibilidade de se realizarem reuniões em agosto, que nunca isso aconteceu, disse logo que não podia garantir que estivesse presente”, conclui.

 

Rádio Cávado Barcelos